Maglore

Desde as mudanças de formação ocorridas em meio à turnê do segundo disco, “Vamos Pra Rua” (2013), três passou a ser o número de integrantes do Maglore, originalmente um quarteto. Com a entrada de Rodrigo Damati (voz e baixo) e a decisão de deixar os teclados de lado nos palcos, os shows da banda ganharam nova dinâmica e as músicas que nasceram a partir daí, outra identidade.

O formato conciso fez nascer composições mais diretas e simples, qualidades comuns às canções populares. Com um também cantor e letrista na banda, Teago Oliveira (voz e guitarra) e Felipe Dieder (bateria e voz) apresentam, agora, o terceiro álbum do Maglore: “III” (Deck).

Produzida por Rafael Ramos (Titãs, Pitty), a obra estabelece o grupo originado em Salvador (BA) como forte representante do atual pop nacional. Concebido no Estúdio Tambor (Rio de Janeiro) entre janeiro e maio deste ano, o disco conta com onze faixas gravadas ao vivo em fita de rolo, mixadas por Rafael e masterizadas por Ricardo Garcia.

Com texturas que rementem aos anos 70 e versos de assimilação imediata, títulos como "O Sol Chegou", "Invejosa", "Dança Diferente" e "Se Você Fosse Minha” comprovam o potencial do Maglore para tecer referências (da MPB à subgêneros do rock) em uma sonoridade própria e marcante, e para refletir sobre temas doídos sem sucumbir à tristeza.

Esse equilíbrio, somado aos vocais ora doces ora rasgados de Teago, e aos arranjos que surpreendem desde o debut “Veroz” (2011), alcança um nível de precisão que faz de “III” salto largo na discografia da banda. Com destreza, o hoje trio une o familiar ao moderno numa coleção de músicas de celebração e superação, que, ao que tudo indica, vêm para ficar. Três, dizem, é um número mágico.

Maglore
Maglore - Mantra (Video)Maglore - Mantra (Video)
Publicidade ›